Uma viagem de Trem...

sábado, 19 de novembro de 2011 0 comentários
Este post originalmente foi escrito para: Deus nos Amou Primeiro (03/mar/2010), mas diante dos últimos acontecimentos na cidade da Bahia acerca da mobilidade urbana, onde a presidenta Dilma Roussef liberou R$ 1,6 bi para o chamado PAC Mobilidade Urbana, decidi respostar aqui minhas impressões de uma viagem de trem...

Nas imediações do Centro de Abastecimento de Paripe eu tinha duas opções a priori para voltar a meu lar em Sussuarana, ir pela Estação Pirajá e fazer baldeação ou realizar minha primeira viagem de trem e pegar um ônibus na Calçada em direção a minha casa (o caminho mais longo). Aqueles que leram o titulo da postagem já sabem qual foi minha atitude... 



Logo que cheguei ao guichê, por não saber quanto era a tarifa, entreguei R$2,00 em uma fresta entre o balcão e um vidro totalmente opaco, recebi R$1,50 de troco e ainda aguardei uns segundos no intuito de ter algum bilhete, no entanto uma voz ecoou daquele lugar que o vidro escondia: “ta esperando o quê”?! Polidamente respondi: “nada” – e me dirigi às catracas.



 
A estação de Paripe, a qual eu embarquei me pareceu meio abandonada, mesmo com a aparência de recém-reformada. Gradativamente o terminal de passageiros foi enchendo e depois de uma espera aproximada de 30min o trem chegou.  O trem contrastava com o aspecto da Estação, moderno e vistoso, estava relativamente e cheio e depois do desembarque dos passageiros adentrei à minha primeira viagem sobre trilhos. Entrei no primeiro vagão sentido Calçada (como o trem não faz curva de 180° isso faz diferença).

 
Ao me sentar em um dos poucos assentos que restavam percebi que havia três protestantes com características neopentecostais pregando, na verdade um falava, o outro com um celular moderno registrava através de fotografias momentos da pregação e outro fazia uma espécie coro de uma pessoa só com frases do tipo: “aleluia”, “aleluia glória Deus”, “aleluia Deus seja louvado”, “olha aí”, “é verdade”, “amém senhor Jesus”, “louvado seja o nome santo do senhor”, (além de outras deste mesmo gênero), percebi desde então que a viagem seria interessante, mas não me deterei a este aspecto.

 
Assim que entrei, vi também que o trem era moderno e confortável por dentro e descobri o trajeto que eu faria até chegar à Calçada através de um adesivo da Prefeitura no interior do vagão: Paripe (de onde parti), Coutos, Periperi, Itacaranha, Escada, Almeida Brandão, Lobato, Santa Luzia, Calçada (para onde eu ia). Confesso que fiquei perplexo com a paisagem exuberante da Baia de Todos os Santos, este trajeto deveria ser também turístico! 


 
Logo saindo de Paripe é possível avista a baía de Aratu (porção norte da Baía de Todos os Santos), o trajeto é feito quase ininterruptamente à beira mar. Como o dia hoje foi de muito sol, o azul da água do mar cintilava e realçava a beleza daquela paisagem. O trajeto tem um breve túnel se aproximando da Estação de Escada e uma ponte sobre a enseada dos tainheiros no Lobato onde tive uma das mais belas vistas dos últimos tempos.



 
Nas imediações e Ao passar pela ponte é possível avistar a praia da Ribeira, a Ponta de Humaitá em primeiro plano, o Comércio em segundo plano e a Cidade Alta em terceiro Plano, com aqueles prédios suntuosos do Corredor da Vitória rasgando o azul do céu. Uma paisagem estonteante e de tirar o fôlego. Outra paisagem nesta região que causou admiração foi os trabalhadores que catam mariscos e crustáceos no Lobato, dezenas de pessoas tirando seu sustento do mar numa faixa de mangue que adentra o mar, uma coisa emblemática e por fim ainda nesse trecho, acho que chegando a Santa Luzia e em direção a parte mais continental do Subúrbio o trem passa próximo a paredão de pedras que devem chegar a uns 20m de altura, com construções irregulares tanto na base como no topo dessa colina, algo muito surpreendente, a maneira como a população vai encontrando espaços diante do déficit habitacional da metrópole baiana.



Finalizando o percurso em pouco mais de 35min cheguei a Calçada e ainda muito entusiasmado com tudo que vi e apreendi nesta viagem de trem... Muito mais econômico, sem transtorno de ruas congestionadas e acredito que mais favorável ao meio-ambiente do que nossos queridos ônibus...

E daí fica: Salvador, 3º maior cidade brasileira tem previsão de inaugurar em 2011 (quando escrevi isso em mar/2010) 6 km de metrô, que liga praticamente um centro da cidade a outro centro da cidade, que não privilegia a periferia e o subúrbio e onde já foram investidos quase R$1 bi para sua construção. A população pobre e marginalizada que aparece nas propagandas do governo, mas não é a real prestigiada com o alto volume de investimentos vindos para a Bahia e Salvador precisa tomar uma atitude diante do caos em que vem se configurando nossa cidade. Vamos a Luta!

Fotos: skyscrapercity

0 comentários:

 

©Copyright 2011 Porque Tudo Muda... | TNB